Estudo diz que consumidores de pornografia são menos felizes

Pesquisadores são ligados a instituto que defende “fundamentos morais” da sociedade

As novas tecnologias dispararam a procura por pornografia, sobretudo na internet, segundo um estudo divulgado. Mas os pesquisadores advertem para o impacto negativo nas relações, na produtividade e na felicidade entre consumidores desses produtos.

Estes são alguns dos custos sociais detectados pelo grupo de pesquisadores responsável pelo trabalho O Custo Social da Pornografia, publicado pelo Instituto Witherspoon. Mary Anne Layden, coautora do estudo e diretora do programa de traumas sexuais e psicopatologia da Universidade da Pensilvânia, diz que o acesso a esse tipo de conteúdo tem consequencias físicas e psicológicas.

– Os que veem pornografia acreditam que sua vida sexual vai ser melhor, mas têm ejaculação precoce, mais disfunções e problemas para se relacionar.

O Witherspoon é um centro de pesquisa independente que diz trabalhar para “melhorar os fundamentos morais das sociedades democráticas”.

Segundo a pesquisadora, a exposição em massa a conteúdos pornográficos leva a mudanças de crenças e atitudes sociais. Layden cita como consequência desse cenário o aumento da insensibilidade com relação às mulheres, a redução do apoio ao movimento de libertação feminina e a perda da noção de que estes conteúdos devem ser restringidos para menores.

Vários estudos dizem que a mulher que sabe que seu marido consome pornografia se sente traída e não confia no parceiro. Dados da Sociedade Americana de Advogados Matrimoniais indicam que 56% dos 350 casos atendidos em 2003 tinham relação com o interesse obsessivo de um dos parceiros por sites pornográficos.

O consumo contínuo desses produtos frequentemente acaba em alguma doença, diz Layden. Ela lembrou que pela primeira vez o DSM 5, manual utilizado para fazer diagnósticos psiquiátricos, vai incluir como doenças as dependências de sexo e da pornografia.

Para os especialistas, o consumo de pornografia não é visto como um problema grave na sociedade. Por isso, eles reivindicam uma maior atenção sobre o assunto e pedem mais proteção, sobretudo para crianças e adolescentes. Segundo Layden, “um software para bloquear as páginas com conteúdos pornográficos na internet não é suficiente”, já que as crianças têm a seu alcance outros sites onde podem encontrar o código para desbloquear o filtro.

A pesquisadora exige que a entretenimento deixe de “fazer dinheiro ferindo crianças”.

– A presença da pornografia na vida de muitos meninos e meninas adolescentes é muito mais significativa do que a maioria dos adultos acha.

Fonte: Agência Efe

~ por Fernando Ortega em Quarta-feira | 5 Maio | 2010.

Uma resposta to “Estudo diz que consumidores de pornografia são menos felizes”

  1. Bom Post!

    Interessante, informativo, Parabéns!!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s